SENHOR SALVA-ME

Sumário

INTRODUÇÃO


No artigo cinco aprendemos como o Senhor Jesus cuidou dos seus discípulos vindo ao encontro deles, e prestando-lhes o necessário socorro. Bem razão tinha o salmista quando afirmou: “Deus é o nosso refugio socorro bem presente na angustia” (Sl. 46:1).
Neste artigo vamos estudar uma oração muito pequena que foi feita na bíblia. “Senhor Salva-me’”.
Logo que o Senhor Jesus identificou-se aos seus discípulos, com o proposito de reanima-los, “Tende bom animo, sou Eu...” Pedro lentou sua voz e exclamou: “Senhor se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas”. Verifiquemos a expressão: “se és tu” uma declaração de duvida. Seria mesmo Jesus, ou um fantasma! Pedro tinha as suas reservas, havia duvida no seu coração.
Com a soberana ordem do Senhor Pedro desceu do barco, e logo “andou sobre as águas para ir ter com Jesus” ou com o fantasma.
O vento estava forte, Pedro teve medo, certamente perdeu a visão de Jesus e começou a ir para o fundo. Foi nesse momento que ele exclamou: “Senhor Salva-me”.  Esta foi uma das menores orações feita em toda a bíblia e a resposta mais rápida também. Na hora do apuro Pedro recorre ao Senhor que não tarda em atendê-lo.
 Esta oração tem três aspectos.·.

1 – UMA SUPLICA COM HUMILHAÇÃO


HUMILHAÇÃO: “Corações que não choram nunca poderão ser arautos da paixão de Cristo” – Dr. J.H.Jowett
A súplica ou a oração é um ato de buscar a ajuda de Deus em todos os momentos tanto os de alegrias como nos momento de dificuldades.
 A súplica é uma oração feita com insistência e submissão e humilhação no sentido bíblico é o desejo do Cristão de reconhecer a soberania de Deus sobre sua vida e a certeza de que o Senhor pode resolver todos os seus problemas.
Em toda a bíblia encontramos diversas orações feitas com humilhação e súplica, vejamos algumas: (2 Cr. 7: 14; Pv. 29: 23; Dn. 9: 19-23; Dn. 10: 2-3; Jr. 39: 12-13; Tg. 4: 6-10). Foram muitas as orações do povo de Deus na bíblia feita com suplica e humilhação. Mas foi Pedro quem fez a menor suplica a Deus num momento de aflição.
Em um rápido momento, Pedro foi totalmente quebrantado. Humilhado profundamente exclamou como um desespero de causa. “Senhor Salva-me”. Quantos servos de Deus que julgam ser alguma coisa querem caminhar sozinho sem a presença e sem o poder do Senhor Jesus. Alguns estão descendo, como Jonas desceu para o porão do navio.
A salvação que Pedro pedia era do perigo iminente. Ele estava preste a morrer se não fosse socorrido. Cristo o havia chamado para andar sobre as águas e talvez ele tenha perdido o foco e diante disto quase afundava nas águas do mar da Galileia.
O Senhor Jesus estar esperando por quem se humilhe e clame por ele, como Pedro clamou. Atentemos para esta escritura: II Cron. 7: 14 “Se o meu povo que se chama pelo meu nome se Humilhar, e orar...” humilhação sem oração não tem valor. “... a um coração quebrantado e contrito, não desprezarás o Deus”. (Sl. 51: 17b). Oremos ao Senhor com a humilhação e veremos o imediato resultado.
Pedro admite a sua fraqueza neste momento e não só admite a sua fraqueza como também admite o medo da morte.  Temos que reconhecer as vezes que só podemos enfrentar as dificuldades da vida confiando na ajuda e no socorro de Deus.

2 – UMA SUPLICA CIRCUNSTANCIAL


Pedro em rápido momento foi envolvido por uma circunstancia terrível e perigosa. Ele percebeu que a morte avizinhara-se dele e que não havia recursos. Era uma prova dura. Forçado pela circunstancia, ele clamou: “Senhor Salva-me”.
Podemos lembrar que a oração de Pedro foi diferente das orações que estamos acostumados ouvir nos nossos dias. Vemos na oração de Pedro algumas lições que podemos destacar:

2.1 – UMA ORAÇÃO MUITO RÁPIDA

Devido à necessidade do momento, Pedro não podia fazer uma impostação de voz como vemos hoje nas igrejas. Nem tão pouco ele poderia fazer aquela introdutória que sempre vemos na oração, exemplo: Nosso Deus e nosso pai criador do céu e da terra e pai do nosso Senhor Jesus Cristo... A oração tinha que ser Rápida Senhor Salva-me é verdade que as orações na bíblia sempre foram muito curtas e rápidas com exceção da oração de Salomão na inauguração do templo (2 Cr. 7) e a oração de Cristo no seu momento sacerdotal, em João Cap. 17 o restante todas as orações tem curta duração. Na Verdade não é pelo muito falar que sermos ouvido. Mt. 6: E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos. Não seremos ouvidos nem pelo muito falar, nem pelas vãs repetições e sim pela oração sincera e necessária que sai da Alma.

2.2 – UMA ORAÇÃO NECESARIA

Pedro estava sem tempo, sua vida estava a ponto de se perder, em poucos minutos ele iria se afogar se o socorro divino não viesse às pressas, ele iria parar no fundo do mar. A sua oração tinha que ser rápida instantânea e a resposta teria que ser logo.  Na oração necessária é preciso falar exatamente aquilo que estamos precisando. Sem muitos Rodeios temos que ir direto Ao assunto. Mt. 6: 8 Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes. A oração é um momento de comunhão entre a Criatura e o seu Criador, é um dialogo Franco onde expomos nossas necessidades e buscamos a Ajuda de Deus para nossos momentos difíceis.

2.3 – UMA ORAÇÃO CHEIA DE FÉ

A fé de Pedro foi desafiadora após o medo de pensarem que era um fantasma, que vinha andando sobre as águas, Mt. 14: 26 “E os discípulos, vendo-o andando sobre o mar, assustaram-se, dizendo: É um fantasma. E gritaram com medo”.
 Pedro desafia A Cristo dizendo: “E respondeu-lhe Pedro, e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas” Mt. 14: 28 Pedro estava Cheio de fé e queria ter a experiência de caminhar sobre as águas, Isso nunca havia acontecido na historia da humanidade, Deus havia aberto o mar vermelho (Ex. 14: 21 – 22 Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e o SENHOR fez retirar o mar por um forte vento oriental toda aquela noite; e o mar tornou-se em seco, e as águas foram partidas). E os filhos de Israel entraram pelo meio do mar em seco; e a águas foram-lhes como muro à sua direita e à sua esquerda. Depois Deus abriu o rio Jordão por duas vezes a primeira vez para o Profeta Elias e Elizeu 2 Rs. 2: Então Elias tomou a sua capa e a dobrou, e feriu as águas, as quais se dividiram para os dois lados; e passaram ambos em seco. E a e a segunda vez para o profeta Elizeu já que havia atravessa do o rio com o profeta Elias Agora um vez sozinho ele precisava voltar e Deus mais uma vez abriu o rio Jordão. 2 Rs. 2: 14 E tomou a capa de Elias, que dele caíra, e feriu as águas, e disse: Onde está o SENHOR Deus de Elias? Quando feriu as águas elas se dividiram de um ao outro lado; e Eliseu passou. Ver Alguém andado por cima das águas foi o máximo para os discípulos. Jamais se ouvia falar que alguém havia caminhado sobre as águas.
Cristo Dar a Pedro uma experiência singular Não fosse o medo do apostolo ele teria chegado ao porto seguro. 
Às vezes por causa de negligencia, Deus permite que venha sobre os servos seus, duras adversidades, para que eles clamem ao Senhor. Tomemos como exemplo o caso de Jonas. Não foi para onde o Senhor mandou, desobedeceu. Quando, porém, viu-se no ventre do peixe, forçado por uma dura circunstancia, clamou ao Senhor. Jonas 2:1 “E orou Jonas ao Senhor, Seu Deus das entranhas do peixe”. Quem não ousaria orar?
Não podemos deixar que Deus nos force a orar permitindo que venha sobre nós, circunstancia adversas. Também não podemos endurecer o coração quando nos sobrevierem as adversidades. Devemos orar ao Senhor como nos ensinou o profeta Jeremias: “clama a mim e responder-te-ei...”

3 – UMA SUPLICA CONFIANTE


Agora não se tratava mais de um fantasma era mesmo o Senhor Jesus, o Cristo. “O filho do Deus vivo” Pedro clamou em plena confiança, com plena certeza de fé: “Senhor Salva-me”. “E logo o Senhor Jesus estendendo a mão segurou-o, e disse-lhe: Homem de pequena fé, por que duvidaste?”
Quantos males a duvida têm causado ao povo de Deus. Nenhum dos discípulos que ia no barco sofreu o que Pedro sofreu. Passou pelas ânsias da morte, porque afrontosamente duvidou de que não andaria por cima do mar.
Quantos servos de Deus que alimentam duvida em seu coração. E por este motivo não são socorridos quando clamam ao Senhor. Em Hebreus 10: 38; Sl. 37: 5; Tiago 1: 5,6 devemos ler estes textos com bastante meditação para tirarmos proveito da palavra de Deus para a nossa vida.  É interessante que Que a fé de Pedro não diferente da nossa vive oscilando entre muita fé e pouca fé O próprio Jesus disse: Mt. 14: 31 E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste? Por Causa do Medo Pedro Deixou que a sua fé fosse lá pra baixo. Mas ao mesmo tempo que ele teve medo e afundou, teve uma imensa fé a Clamar “Senhor salva-me” Mt. 14: 30 Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me! Observemos que vivemos essa mistura de em momentos de Crises desacreditar e em algum momento ao mesmo tempo em que conseguimos forças para Clamar a Deus.


CONCLUSÃO





Aquele que segurou a Mão de Pedro quando ele orou com humilhação forçado pelas circunstancia e com plena confiança, é o mesmo que também vem ao nosso encontro, quando clamamos (Mt. 11: 28). Cristo conhece a nossa estrutura, foi ele quem nos fez, nos Salvou e nos conhece.  Ele Sabe que em Alguns momentos vacilamos na fé. Vejamos o que o Senhor Jesus disse, conforme lemos em Mateus 7: 7-8 A palavra de Deus não pode falhar. Estar faltando alguém para pedir, para bater e para buscar As promessas do Senhor Não falha. Leiamos com meditação Romanos 4: 18 – 22, 
Efésios 3: 2 o que Deus fez com muitos dos seus servos no passado faz também hoje.  A oração Feita no tempo Certo, Expondo os fatos reais, é impossível que não seja atendida por Deus. Mt. 7: 8 Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á.

Pastor Rolilton Alves 

Postagens mais visitadas